Domínios Expirados: Hack Para Destruir Seus Concorrentes de SEO

A cada 10 perguntas que recebo sobre SEO e PBN 9 estão ligadas à domínios expirados, qual é melhor, como encontrar, a melhor forma de registrar, decidi fazer esse guia para responder essas e outras dúvidas relacionadas a domínios expirados.

Antes de te falar sobre como encontrar os domínios expirados, vamos voltar algumas casas para entender O QUE SÃO DOMÍNIOS EXPIRADOS e suas aplicações.

O que são domínios expirados?

Eu estou até mudando o meu discurso acerca de domínios, eu sou nômade digital, vivo viajando e nessas viagens sempre conecto com a galera que também está viajando que por consequência, grande parte delas, vivem dos seus negócios na internet.

Pelo incrível que pareça a maioria não conhece SEO e quando me perguntam o que eu faço tenho que explicar tudo do começo.

O que eu tenho respondido é o seguinte: Domínios expirados são domínios que tem uma autoridade muito forte com o Google.

Por que? Quando um site recebe um backlink e expira, o remetente do backlink não vai lá remover esse link, ele simplesmente vai deixar rolar e a autoridade passada é para o domínio e não para o site.

Ex.: Globo.com apontou um backlink para mim, hoje, 23/10.

Se eu não renovar o meu domínio, meu domínio vai simplesmente expirar e ficar disponível para compra novamente, e a Globo.com não vai lá remover o meu backlink.

Isso significa que você consegue iniciar um projeto COM VANTAGENS COMPETITIVAS. Você sai na frente, absurdamente na frente.

Quais são as reais vantagens dos backlinks?

Ok, entendi que eu posso começar com diversos backlinks e agora? O que isso me dá de vantagens?

Os backlinks são os principais fatores de posicionamento no Google, hoje, eles representam 80% do posicionamento.

Eu trabalho com SEO, full, há quase 10 anos e já presenciei diversas atualizações e estratégias para posicionar sites nas primeiras páginas.

Eu desenvolvi a seguinte metodologia: Planejamento, Otimização e Autoridade.

Planejamento é a estratégia que você vai utilizar para conseguir melhorar o seu ranking, nessa etapa você deve fazer um mapeamento das palavras-chave que você quer posicionar para incluir no seu projeto.

É o planejamento é que vai definir se o seu projeto vai dar certo ou não, sem ele não nada feito.

A segunda etapa é a otimização.

A otimização é tudo que diz respeito à usabilidade e experiência do usuário, isso inclui: Velocidade do site, qualidade do conteúdo, Imagens, vídeos, etc…

Tudo que é interno é cobrido na etapa de otimização.

Por último e não menos importante é a etapa da autoridade.

A autoridade é a reputação que o seu site tem perante o Google, o Google precisa confiar no seu site para que ele possa posicionar-lo nas primeiras posições.

Eu gosto de ensinar que cada etapa desse projeto vale uma nota, de 0 a 10.

Para que você consiga atingir SEMPRE o topo do Google você precisa ter 10 em todos os quesitos.

Planejamento 10 significa você ter coberto todas as principais palavras-chave do seu mercado.

Otimização 10 significa você ter otimizado todos os itens do seu site.

Autoridade 10 é você ter bons links no seu projeto.

O problema é que a autoridade é um fator externo, você não tem controle 100% desse item, você não pode determinar que o seu site receba bons links da noite para o dia (A não ser que execute os passos que vou te ensinar neste artigo).

Na prática os backklinks atuam da seguinte forma:

1 – Te ajudam a ser encontrado;

Quanto mais backlinks você tem, mais facilmente o Google vai te encontrar, todos os dias são criadas bilhões de páginas e é praticamente impossível para o Google conseguir encontrar todas essas páginas.

Ps.: Vale lembrar que o Google NÃO É a internet, o Google é apenas um site que cataloga os sites da internet, ele é uma empresa privada que tem como objetivo melhorar seus serviços para, consequentemente, aumentar os seus lucros.

O Google não é uma espécie de Deus!

Quanto mais apontamentos você tiver mais facilmente o Google vai te encontrar, porque ele não precisará, necessariamente, encontrar você e sim pode te encontrar através de algum apontamento que você recebeu.

Ex.: O Google pode ter dificuldade de te encontrar, mas encontrou o glogo.com e lá dentro do Globo.com tem um backlink para você e ele consegue te encontrar por lá.

Logo, quanto mais backlinks, mais facilmente você vai ser encontrado e ter a oportunidade de “convencer” o Google que você merece estar nas primeiras colocações.

2 – Aumentam a sua relevância com o algoritmo do Google;

Quando os backlinks são muito fortes, o Google ignora algumas etapas do processo de posicionamento dele.

Como nós vimos acima ele usa os backlinks para conseguir te encontrar e visitar o seu site, o objetivo dessa visita é analisar o seu conteúdo e entender se aquilo faz sentido ou não faz para estar nas primeiras colocações.

O ponto é que quando você recebe muitos apontamentos de muitos sites com muita autoridade ele simplesmente ignora essa “visita” e te posiciona no topo.

É por isso que vemos muitos sites, muito ruins tecnicamente, nas primeiras colocações.

Ex.: Eu escrevo um conteúdo, não muito bom, sobre futebol e recebo um apontamento do Globo.com. Por o Globo.com ser um site de extrema autoridade com o Google, automaticamente ele pensa: “Eu não quero nem ver o conteúdo do Bruno, se o Globo.com está falando dele, ele é bom”.

A grosso modo, é assim que os backlinks agem dentro do seu projeto.

Os tipos de backlinks perfeito

O que eu te falei acima pode não ser uma novidade para muitos, mas o que a maioria não sabe é que existem backlinks que funcionam e backlinks que não funcionam.

O Google divide os backlinks em duas categorias: DoFollow e NoFollow.

Backlinks DoFollow

Todas as vezes que um link é criado o remetente tem a opção de categorizar-lo como dofollow e isso significa que ele está dizendo ao Google que o destino é confiável, se o globo.com me envia um link dofollow isso significa que ele está dizendo: “Ok, Google, Eu conheço e confio no Bruno, pode confiar também”.

Backlinks NoFollow

Os backlinks NoFollow são o contrário, caso eu receba um NoFollow o do Globo.com ele estará dizendo: “Google, encontrei esse conteúdo, é legal, achei interessante referenciar-lo mas eu não conheço o dono e não me responsabilizo pelo site.”

Os backlinks nofollow têm força no posicionamento, afinal, você está sendo referenciado de qualquer forma a diferença é que você não recebe, como peso de posicionamento, a autoridade que o remetente tem.

É bom entender a diferença entre essas duas categorias de links, agora vamos ir um pouco mais além e entender o principal de fator de posicionamento entre os backlinks.

A camada “invisível” de backlinks que você pode estar ignorando

Para que tudo que eu vou te ensinar agora faça sentido nós vamos precisar voltar um pouco no tempo e entender um pouco da história de como tudo isso surgiu.

O Google, apesar de ser muito conhecido, é relativamente novo no meio dos buscadores, a história não começou com ele, durante anos o Google NÃO dominou a internet.

Nos finais dos anos 90 e início dos 2000 teve uma grande corrida pelos buscadores, inclusive o Brasil teve uma presença forte nessa disputa.

Quando tudo era mato na internet o objetivo era reunir o máximo de informações de maneira mais simples e não havia uma lógica para fazer com que determinados sites fossem encontrados.

Os algoritmos existentes na época eram muito falhos, até hoje o Google é o único que consegue ter uma certa precisão nas buscas, tente usar o Bing e se espante com os resultados.

O que fez o Google sair na frente foram justamente os backlinks, a capacidade que ele tinha de interpretar que determinado site era melhor que o outro baseado nos apontamentos que ele tinha, até hoje os outros buscadores não conseguiram fazer isso com eficiência.

Vou revelar uma informação aqui para vocês que é de extremo valor e praticamente ninguém sabe disso.

Eu sou aficionado por saber o porquê das coisas, sempre questiono tudo e acredito que entendendo o funcionamento de algo eu consigo fazer uma engenharia reversa e hackear tudo, esse é o motivo que eu conto bastante histórias do porquê acontece antes de falar diretamente o que fazer.

Eu acredito que quanto mais fundamentos você tiver, mais fácil você vai conseguir não só a executar mas sim a criar seus próprios métodos e quando eu comecei a estudar SEO e o algoritmo do Google eu iniciei uma busca ferrenha para conseguir o máximo de informações possíveis sobre o algoritmo.

Eu nunca me preocupei em saber o que tenho que fazer para posicionar e sim entender o que o Google é programado para posicionar, se você entender o algoritmo você NUNCA mais passará perrengue para posicionar nada, você sabe como ele funciona, é só jogar o jogo dele.

Em uma dessas buscas eu descobri algo incrível, o verdadeiro criador do Algoritmo, o primeiro algoritmo do Google, um Italiano que se chama Massimo Marchiori. Esse cara foi o gênio que criou o algoritmo do Google, ele estudou no MIT.

Ele fala muito pouco sobre o Google, parece que é meio frustrado e sofre um pouco de dissonância cognitiva por ter abandonado o projeto, segundo ele, o motivo da saída foi financeiro, ele não queria fazer as coisas pelo dinheiro e o objetivo dele era realmente ajudar as pessoas.

Isso é um grande sinal para nós, para entendermos que o core do algoritmo não é simplesmente criar algo artificial, evidentemente, muita coisa mudou desde que ele saiu mas a base do algoritmo ainda é a que ele criou.

Esse é um dos poucos conteúdos que você encontra sobre ele na internet, falando sobre o Google (Em inglês ou espanhol) a maior parte do conteúdo é em italiano e eu não sei falar italiano =(

Você consegue mais informações nesse livro: Menos internet e mais Cabernet: O grande progresso de Michelangelo e o Google.

Ps.: Cabernet é um tipo de uva famosa, usada para fazer vinhos renomados.

Como eu disse ele tem uma pegada mais filosófica em relação a todo o mercado de busca que foi construído ao redor do algoritmo que ele criou, vale a pena colar no cara e entender melhor como funciona a mente que criou tudo que usamos hoje.

Voltando para a parte mais técnica, antigamente quando o Google se destacou como buscador os backlinks fizeram toda a diferença, porém as regras que definiam o que era relevante para subir mudaram.

Antigamente o que tinha valor eram os apontamentos, independentemente da contextualidade entre ambos por esse motivo surgiram muitas ferramentas de automatização de backlinks como: GSA, Autopilot, MoneyRobot e afins.

O objetivo dessas ferramentas era enviar uma quantidade grande de backlinks e isso afetava positivamente o algoritmo, pois o Google não precisava de contextualidade para poder entender que aquele backlink fazia sentido.

Essa atualização já entrou em vigor há algum tempo, mas no Brasil nós temos uma vantagem tudo demora para chegar, inclusive as atualizações do Google.

Eu descobri isso conversando em um grupo internacional que eu participo e lá nesse grupo tem uma menina que trabalhou por muitos anos no Google e ela trabalhava justamente nesse setor, conseguir fazer com que as atualizações tivessem efeito nos países e ela falou que muita coisa no Brasil funciona ainda porque o Google leva mais tempo para aplicar as atualizações em países com a internet lenta.

A internet do Brasil não é boa e isso faz com que leve mais tempo para algumas atualizações surtirem efeito, eu vejo como uma grande vantagem porque se ficarmos ligado no mercado estrangeiro teremos uma espécie de “bola de cristal”. Só ver o que está rolando aqui fora e replicar esse é o motivo de eu estar em Chiang Mai, na Tailândia. Aqui é o reduto dos melhores profissionais de SEO do mundo.

Veja este artigo do Matt Diggity :Por que Chaing Mai é a capital internacional do SEO?

O fato é que hoje, não faz mais sentido para o Google passar relevância de um site para o outro que não tenha contextualidade, se você tem um site que fale sobre perder peso, não faz sentido receber um link de um site, mesmo que tenha muita autoridade, de um site de advocacia.

Advocacia não tem ligação com perder peso e isso faz com que esse link seja ignorado, eu vejo muita gente se preocupando em construir centenas de links, sem contexto, isso não funciona! Não mais.

Entendendo a fundo os backlinks

Muito se fala em métricas, hoje nós temos algumas empresas que são responsáveis por propagar algumas métricas no mercado.

As mais conhecidas são: Moz, Ahrefs e Majestic.

Todas essas são empresas privadas e não têm qualquer tipo de ligação com o Google, são empresas fundadas por pessoas comuns, como você e eu.

Evidentemente essas empresas usam informações que elas acreditam serem verdades para poder valorizar seus produtos e serviços.

Isso significa, como eles mesmo dizem, que todas as métricas são métricas relativas e não absolutas, elas não condizem com a verdade, o que nós temos que nos basear é no Google e não em outras empresas, temos que entender o que é relevante para o Google.

Estou te falando isso porque sempre me perguntam: “Bruno, DA X é bom?”, “Domínio com DR X, é bom?”.

Isso é indiferente! As métricas dessas empresas são afetadas por um fator, a quantidade, e o Google não quer saber da quantidade ele se preocupa com a contextualidade.

Se você pegar um domínio, zerado, e enviar 200 links de sites com DA alto, automaticamente o DA desse domínio zerado subirá.

Mas ele subir não quer dizer que seja uma coisa boa, sabe por que? Porque o DA não significa que o domínio é forte, o domínio pode ser forte com DA baixo e pode ser fraco com DA alto.

O que vai diferenciar um do outro é a qualidade dos links que ele está recebendo, vou mostrar na prática.

Ex.: Você tem um domínio, zerado, que fale sobre perder peso. E nesse domínio você recebe 10 backlinks de 10 sites com média de DA 15, porém esses 10 sites são sites de extrema autoridade, trabalho sério, sites bem montados, conteúdos legais.

No outro caso você pega um domínio, também zerado, e recebe 200 links de sites aleatórios, mas com DA 40+. Você recebe links de sites falando de jogos, com conteúdo SPAM, ou de sites gringos, sem contextualidade nenhuma.

O resultado na SERP será o seguinte: Sites com menos DA, menos links, na frente de sites com alto DA e muitos links.

A autoridade de um domínio não vem do DA, PA, DR, UR, CF, TF ou qualquer outra métrica, a autoridade de um domínio vem do perfil de links que ele tem, da autoridade que ele construiu no Google.

A única métrica 100% confiável

Há algum tempo eu venho pensando sobre criar uma métrica, mas ainda não consegui reunir todas as informações, técnicas e lógicas, para conseguir fazer uma métrica 100% confiável.

Uma métrica para ser confiável hoje teria que ser baseada na contextualidade, teria que ter dois fatores de avaliação a contextualidade e a autoridade.

Eu pensei em criar grupos de sites, como se fossem grupos sanguíneos, onde cada site tivesse um nível de compatibilidade com o outro.

Ex.:

Grupo A tem 100% de compatibilidade com Grupo A
Grupo A tem 80% de compatibilidade com o Grupo B
Grupo A tem 50% de compatibilidade com o Grupo C
Grupo A tem 20% de compatibilidade com o Grupo D

Assim, não teríamos o problema que temos hoje. Esse meu site eu falo sobre SEO, marketing e negócios. O site minhavida.com é um dos maiores do Brasil, mas na área da saúde, ele tem muita autoridade mas a autoridade ele NÃO serve para mim, eu receber um link deles, para esse projeto, é a mesma coisa que nada.

É como se eles fossem do Grupo D e eu do Grupo A, não temos compatibilidade e isso não faria sentido para o Google, ele não consegue passar a autoridade dele para mim porque ele não domina o meu assunto.

É a mesma coisa que você pedir um conselho sobre direito tributário para um doutor em medicina, não faz sentido, por mais que ele seja doutor, tenha autoridade, seja o cara na medicina ele não entende nada de direito tributário.

Bom, agora acredito que possamos prosseguir no nosso conteúdo e falar mais sobre os domínios expirados.

Como usar domínios expirados

Usar domínios expirados é como se você estivesse usando uma Ferrari em uma corrida de carros normais

Existem diversas aplicações práticas para domínios expirados como: Montar PBN (Rede privada de blogs), Branded name (nomes com nomes de marcas) ou simplesmente não ter que iniciar um projeto do zero.

Em cada um dos casos devem ser analisadas características distintas, um domínio que serve para uma PBN não necessariamente vai servir para um projeto do zero, como vice-versa.

O interessante é que um domínio seja “ressuscitado” e mantenha o mesmo tema que era anteriormente e muita gente não respeita isso.

Simplesmente pega um site, forte, sobre concursos e transforma esse site em um portal de emagrecimento só porque o domínio é forte, fazendo isso você perde toda a autoridade que o dono anterior construiu, todos os links que já haviam no domínio não serão mais fortes, por que? Porque NÃO TEM CONTEXTUALIDADE.

Você tem que comprar um domínio e manter o domínio com o mesmo tema, esse é o grande desafio, nós temos mais de 300 sites na nossa rede e TODOS mantêm o mesmo tema de antes de expirar.

Para PBN, como você vai precisar de muitos domínios e o interessante é que você use a PBN para muitos projetos você precisa ter nichos, que eu chamo de nichos coringas.

Como esses nichos você consegue ter flexibilidade para poder utilizar a sua rede em diversos nichos sem perder a força.

Ex.: Uma blogueira, que conta seu dia-a-dia no blog pode falar de muitos assuntos, sem perder a contextualidade.

Ela pode produzir os seguintes conteúdos:

  • Uma resenha de livro que ela leu;
  • Ela pode falar de um e-commerce de moda que doou uma roupa pra ela;
  • Pode falar de uma clínica de estética que ela frequenta;
  • Uma viagem que fez com a família;
  • Uma clínica veterinária que levou o Pet.

Uma blogueira é um puta nicho coringa que é possível aproveitar muita coisa.

Existem diversos nichos coringas, nesse ritmo das blogueiras.

Então isso tem que ficar muito claro quando você escolher os domínios para montar a rede, caso contrário você vai ter um site de um nicho específico, vai usar uma única vez e vai ter que ficar pagando todo mês hospedagem, manutenção de conteúdo e não terá como aproveitar mais aquele site.

Todos os nossos sites são de nichos flexíveis, até temos uns mais nichados que outros mas a grande maioria são nichos que linkam com força total para pelo menos 5-7 nichos.

Essa é a primeira aplicação, para PBNS.

Você pode usar os domínios expirados, também, para iniciar novos projetos, suponhamos que você queira montar um e-commerce, não necessariamente precisa começar do zero, já pode pegar um “ex-ecommerce” com autoridade e iniciar na frente dos concorrentes.

Considerações finais

Para mim, não faz sentido nenhum não trabalhar com domínios expirados, seja para PBNs ou para projetos próprios, o custo de aquisição por links é muito alto e poder iniciar um projeto com dezenas, centenas e até milhares de links é uma vantagem competitiva enorme.

Se você quiser saber mais sobre esse assunto de backlinks, SEO, PBNS, Domínios, etc…

Eu te convido para participar do meu canal do telegram, lá eu produzo conteúdo diários sobre marketing, SEO, negócios, chega lá que você será bem vindo.

Bruno Medeiros
Bruno Medeiros é Carioca, Nômade Digital, Ancap, Especialista em Marketing e viciado em quebrar padrões. #VemComigo

Mais Posts

Hey,

Deixe seu comentário